18.4.09

Uma casa feita de histórias.



Hoje é dia de blogar sobre quem me iniciou no mundo da leitura (veja o selinho do Monteiro Lobato, na lateral esquerda). Uma iniciativa bacanuda da Vanessa, do Fio de Ariadne.


Sou daquelas pessoas que adoram ler. Leio na cama, no banheiro, no ônibus, nas salas de espera de médico. Quando fico um tempo sentada sem minha leitura, morro de tédio, fico perdida. Não sou do tipo que se resolve apertando botãozinho no celular. Gosto de livros, jornais, revistas e, na falta deles, rótulos de remédio, embalages de sabonete, folhetos, qualquer coisa que tenha letrinhas e as letrinhas formem palavras.

Quando era pequena, minha casa tinha literatura para todo lado. No escritório do meu pai, prateleiras cheias de livros. Sobre as mesas, livros de mensagens espíritas, que eram lidos nos cultos semanais ou numa prece de emergência. Na cozinha, cadernos de receitas, copiados com a letra da minha mãe ou de minhas tias. Nas cabeceiras, romances, livros "Para gostar de ler" e aqueles pequeninhos das Edições de Ouro. No tacho da sala, o jornal diário e muitas revistas.

Tudo isso, naturalmente, me levou a ler. Mas acho que o fator mais determinante, foi que tive a sorte de ter um Monteiro Lobato na minha vida. E uma Emília.

O Monteiro Lobato foi meu pai. Ele foi o incentivador oficial. Na hora de dormir, lia livros apaixonantes, como "Robson Crusoé", na versão do próprio Lobato. Eu e meus irmãos adorávamos. E comentávamos tanto que ele acabou criando uma regra que não podíamos interromper muito, para conseguir chegar ao final do livro.

Segundo as teorias do meu pai, para formar o hábito da leitura, podíamos ler qualquer coisa que gostássemos. O ato de ler era mais importante que o conteúdo. Ele pregava que uma vez desenvolvido o hábito e nos tornássemos leitores, acabaríamos mais seletivos. A própria leitura ajudaria a refinar nossas escolhas.

A Emília foi a minha mãe. Ela foi o lado lúdico que equilibrou o pai Monteirão. Era ávida leitora de gibis e comprava todos: Turma da Mônica, Disney, Bolinha e Luluzinha, Brotoeja. À noite, deitávamos com ela na cama de casal e líamos gibis até cair no sono. Dela também vieram as coleções de contos de fadas, os Disquinhos que ouvíamos na vitrola e os clássicos Disney. Adorava colecionar fascículos vendidos em banca de revista e por conta disso, tínhamos coleções de artesanato, de brinquedos de sucata, de jardinagem, Salvat Grandes Temas, Todos os Jogos e muitas, muitas outras.

Me lembro também das tardes que passávamos colando figurinhas, com cola de farinha, no álbum de história do Brasil. Ou recortando e montando os brinquedos de papel da revista Recreio.

E assim, sem nem perceber, fomos lendo e crescendo. Hoje somos pais e mães, que tentam proporcionar a seus pimpolhos o mesmo solo fértil para o desenvolvimento da leitura. Lutamos contra monstrinhos poderosos, como o videogame e a tv por assinatura. Mas com carinho, paciência e um pouco de disciplina, acho que o bichinho da leitura também irá contaminá-los. É meu sonho. E uma das maiores heranças que posso deixar para meus filhos.

12 comentários:

Compulsão Diária disse...

Ah, mas que delícia! Robinson Crusoe traduzido por Lobato é melhor do que o original.
E se Emília foi sua mãe, pra mim ela foi o espelho, alter-ego, depois de eu ter me desiludido com a Narizinho. E se vc teve uma casa cheia de livros e a sua , hoje, também tem esse privilégio, fique tranquila: seus filhos , um dia, vão descobrir. Os meus só descobriram na adolescência tardia. E demoraram pra acreditar que eu havia lido todos os livros. até que um dia desafiei: pois abram aleatoriamente e vejam. eles foramabrindo e viram minhas anotações em cada um. Nos de monteiro lobato viram minhas pinturas. Eu coloria as ilustrações de André Le Blanc!
E até hoje, livro pra mim, é pra ser lido, mastigado, riscado e feito meu inteiro.

Mari Amorim disse...

parabéns! A parte mais gostosa das blogagens coletivas talvez seja isto: a interação e a abertura do coração para lembrar, deixar fluir...é bom demais!
beijos
Mari

pimenta disse...

Putz!Eu lia as mesmas coisas que vc!
Mas só conheci a recreio quando meu primeiro filho nasceu,coloridézima e em fascículos colecionáveis!
Meu grande problema agora vai ser ensinar o português para minha filha de 8 anos,e se não for pelos livros de contos e fábulas brasileiras vai ser uma árdua tarefa, pois ela não dá a mínima importância á lingua mãe,pois foi alfabetizada apenas em inglês,e como tinha que estudar Chinês junto, achei melhor não forçar muito a barra com o português, e agora, vamos ver no que vai dar!Ainda bem que guardei minha carteirinha da biblioteca de Floripa,pois já gastei uma grana em coleções inglesas para levar pro Brasil!
Ai, que nostalgia!

Pai dos trigemeos disse...

Que vida boa a de entao, ne?!?!?!
Abarcos, Octavio

APPedrosa disse...

Taís, eu também vou tentando repetir minha história com minha filhinha, querendo ensinar a ela que ler é muito bom, um passaporte para um mundo mágico. Deve ser muito bom ser o "Monteiro Lobato" de alguém.
Abraços

fio-de-ariadne disse...

Taís, demorei mas cheguei. A organização das listagens tomaram tempo e só agora consigo terminar a leitura. Muito obrigada por participar da coletiva com sua história !

abraço

luzdeluma disse...

Taís, você lembrou de Brotoeja!! Olha só, que bacana!! Que memória boa!! Mas isso você tem porque lê muito, sabia? Boa blogagem! Beijus

Vanessa disse...

Oi, já está no Fio a lista com os textos selecionados para a votação que premiará três blogueiros com um livro da Zahar. Conto com você para ajudar nesta tarefa. O link é http://tinyurl.com/dnlozq


Abraço

Renata disse...

Oi Taís, passei pra dizer que passei um meme pra vc lá no blog:
http://rematteoni.caixadepandora.com.br/?p=2228
É trabalhoso, mas divertido.
Beijo
Re

Renata disse...

Oi Taís, passei pra dizer que passei um meme pra vc lá no blog:
http://rematteoni.caixadepandora.com.br/?p=2228
É trabalhoso, mas divertido.
Beijo
Re

Renata Rainho disse...

Meus sobrinhos adoram os livrso que li... bj

Gisele disse...

Ahhh concordo não. Acho que eh um ato de amor sim...
Mas quem não amamenta não quer dizer que não ama...tantas formas de amar...