Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2011

O menino que não gostava de peixe.

Imagem
O menino que não gostava de peixe.

O amiguinho do filho detestava peixe. Por coincidência, o garoto só vinha visitá-los quando o cardápio era um dos deliciosos pescados comprados na feira.

"Isso é peixe? Eu não gosto de peixe."

Pouco afeita a servir a la carte, a anfitriã foi rápida: "Não é peixe, não. É frango, bem temperadinho."

O menino provou ressabiado e logo mandou ver um filézão de tilápia grelhado.

Na segunda visita, o prato era caçonete temperado com limão e grelhado no azeite de oliva. De novo, o visitante comeu sem reclamar o "franguinho" que lhe colocaram no prato. Até repetiu.

A mãe já se sentia a maior especialista mundial em frescura infantil, quando o menino voltou a visitá-los. O cardápio era filé de pescada.

"Tô sentindo cheiro de peixe. É peixe hoje?"

"Não, meu anjo. Eu fiz aquele franguinho que você gosta."

O menino esticou o prato e já estava na metade da pescadinha quando engasgou. "Tem alguma coisa espetando…

A ética que vem do berço.

Imagem
A ética que vem do berço.
Quando eu e meus irmãos éramos pequenos, me lembro de ouvirmos com frequência histórias sobre atitudes honestas e dignas por parte dos adultos que eram referências na nossa vida.
Tinha a do meu avô, pobre, cheio de filhos, que retornou a pé ao mercado para devolver a moeda que veio a mais no troco, porque "jamais aceitou ficar com o que era do outro". 
Mecânico dos bons, nunca deu muito certo financeiramente. E até mesmo o seu "fracasso", nos foi transmitido como lição de vida: "sempre foi empregado e quando tentou montar oficina própria não deu certo porque era honesto demais e passaram a perna nele. Morreu pobre, mas com a consciência tranquila".
Me lembro do dia que fui fazer compras com minha avó numa tradicional loja da cidade. Depois de escolher a mercadoria, ela se dirigiu ao caixa para pagar. O valor era alto e ela pediu para fazer um crediário. Chamaram o dono, que deu uma esnobada, mas no final cedeu, dizendo que, como ela …

Traição

Imagem
Traição
O marido entra sorrateiro. Pouco antes de chegar na cozinha dá de cara com a esposa. Ele a cumprimenta rapidamente, evitando olhá-la nos olhos.
Mulher: - Não acredito!
Marido: - Desculpe...
Mulher: - Por que você fez isso?
Marido: - Aconteceu, eu...
Mulher interrompe: - Mas não pode acontecer.
Marido: - Eu sei...você tem razão, mas às vezes a gente descuida...
Mulher: - Ah, não vem com essa. Com esse tipo de coisa não pode ter descuido. Alguém te viu?
Marido desvia novamente os olhos e fala baixinho: - A Sílvia.
Mulher exclama: - A Sílvia! Não! A cidade inteira e você me topa logo com ela?Ela te viu?
Marido: - Viu, claro. Conversou comigo.
Mulher: - Disse o quê?
Marido: - Perguntou se você sabia que isso estava acontecendo.
Mulher: - Sabia que ela ia perguntar...E o que você disse?
Marido: - Disse que não...e que se você soubesse ia me matar.
Mulher: - Bom, pelo menos foi honesto. Tô quase te esganando. Ah...isso não podia ter acontecido...
Marido: - Eu sei, mas já foi...não vai acontecer de n…

Marina Silva, fique esperta!

Imagem
Marina Silva, fique esperta! Semana passada me deparei com uma das estratégias mais sinistras de formação de opinião que já vi na rede. Divulgo, porque acho que a informação é a melhor vacina contra os golpes da internet.
Alguém publicou um site (http://orgulhoverde.com) que, aparentemente, defende o meio ambiente e a não aprovação do novo código florestal. Aparentemente.
Olhando nas entrelinhas, tudo indica que se trata de uma ação obscura e muito bem planejada de marketing viral, plantada para causar inimizades e angariar simpatizantes justamente para o lado contrário: o de quem defende a APROVAÇÃO do novo código.
A estratégia mostra a que ponto alguns seres humanos chegam para conseguir formar sua opinião.  Daqui para frente, fique ainda mais cauteloso com o que você encontra na rede.
O site defende idéias radicais, meio temidas por quem não gosta muito de ecologista, como passar fome para poupar o planeta, não tomar banho para economizar água, desapropriações em massa no campo e a int…

Sua vida está todinha no Feicebus.

Imagem
Sua vida está todinha no Feicebus.


Se você optou por morar num condomínio, converse com sua empregada sobre o busão que a traz para o serviço.

O ônibus é o centro de troca de informação sobre a vida dos patrões. A sua, a minha, a nossa vida tá todinha aberta e escancarada no Feicebus

O sistema de informação é bem organizado e simples. Elas abrem a boca e começam a contar, pra todos ouvirem, inclusive motorista e cobrador, tudo o que acontece dentro das casas que trabalham. Que patrão não paga direito, a filha de quem que tá transando com quem, as neuras das patroas, o ridículo da vida privada, os pequenos delitos, as cenas que observam enquanto varrem e tiram pó.

Como nas redes sociais da internet, babado que vira buzz é o sórdido. Portanto, não espere ser poupada. Tem empregada que conta até que “aquela vaca transa menstruada...e eu que tenho que lavar os lençóis”.

Tem o lado bom. Elas aprendem muito sobre direitos trabalhistas, discutem salários, trocam receitas, se informam sobre…