23.10.12

Morte aos chatos.




Morte aos chatos.

Os ecologistas que me desculpem, mas se tem uma espécie que precisa ser extinta, é a dos chatos.

O eterno chato. Aquele que, num banquete romano, dizia que achava absurdo atirarem pessoas para os leões e todos pensavam: "Ai meus Deuses, lá vem o chato."

Naquele tempo, quem quisesse encontrar um chato, era só ir ao setor de cumbucas de barro do mercado. O chato nunca usava as de chumbo, pois desconfiava que faziam mal à saúde. Se tem uma coisa que chato sabe fazer é desconfiar.

Queria ver o povo revirar os olhos? Era só o chato começar a falar que o negócio de importação de mão de obra negra para trabalho escravo tinha que acabar. E não adiantava argumentar que a economia precisava do setor, que ia causar desemprego nos estaleiros e nas fábricas de chicotes, que ia faltar gente pra tocar os engenhos e abanar as sinhás acaloradas. O chato respondia que ia surgir uma nova ordem mundial e essa era a dica pra você sair de fininho porque o papo ia ficar insuportavelmente chato. Ô gente que viajava na banha! (Naquele tempo, não tinha maionese.)

A principal característica do chato é que ele não desiste. Bobeou, lá vem ele cutucando: "Por que mulher não vota? Por que gay não casa? Por que nossas terras são nossas e a dos índios não são deles? Quem é mais bicho: o animal ou o homem que o maltrata? Por que empregada doméstica pode até lavar nossa privada mas não usa o mesmo banheiro que o patrão? Por que anúncio de bebida alcoólica tem regra mas de cerveja não? Por que eu não consigo ter meu nenê de parto normal? Por que não dá pra pedalar sem correr risco de vida? Por que um político rouba milhões e não acontece nada, mas um moleque com um baseado pode ir pra cadeia? Por que a propaganda é direcionada ao meu filho se sou eu que compro? Por que a escola só ensina decoreba?". É uma chatice sem fim.

Quando o chato é da família - não se iludam, toda família tem um - temos que desenvolver técnicas avançadas para escapar deles nas festas. Levantamos para pegar uma cerveja mesmo com o copo cheio, convidamos para cantar parabéns, engasgamos com um caroço de azeitona e fugimos dali na maca da ambulância.

Agora duro mesmo é quando o chato surge na forma de filho.  Há relatos de exemplares de 1,20m dessa espécie que dizem que não querem um par de tênis novo porque o que eles tem ainda está ótimo. Há os que obrigam o pai a usar o cinto de segurança.  Os que choram diante do leitãozinho assado. E outros que cheiram o hálito da mãe, tornando-se legítimos representante da patrulha antifumo instalados dentro da nossa própria residência. Aliás, êta patrulha chata!

Já houve casos de chatos de espinha na cara que repreendem os pais em pleno almoço de domingo quando estes clamam por políticas mais rígidas para coibir a migração nordestina. Direito de ir e vir...tem coisa mais pentelha?

Na sala de aula, então, ninguém merece! Pior que um chato na família é um chato atrapalhando a aula com tanta perguntação: "Para que serve a trigonometria na prática?" E tente responder que serve para ele passar de ano, que a chata-mór, a mãe, aparece no dia seguinte pra reclamar do professor.

Temos que tomar muito cuidado com os chatos. Eles parecem poucos. Mas se multiplicam feito coelhos e perturbam de tal maneira que, se não ficarmos atentos, acabam conseguindo mudar as coisas. E as coisas não precisam mudar. Elas são do jeito que são. Nossos pais nos criaram desse jeito e olha só, deu certo! Somos ótimos!

Por isso, digo: "Morte aos chatos". E antes que algum chato apareça aqui cheio de nhenhenhém, explico que é morte no figurativo. Não quero que os chatos sejam atirados aos leões, mesmo porque até isso eles conseguiram mudar.

Esse mundo está ficando mesmo muito chato!


Ninguém melhor do que Rosa Parks para ilustrar este texto. Quem sabe da história vai entender. Quem ficou curioso, clique aqui.

33 comentários:

Silvia disse...

Adorei essa homenagem.

Beijos,
Silvia, a chata

Ligia Moreiras Sena disse...

Que coisa sensacional.
Que texto brilhante.
Muito obrigada pela homenagem aos chatos.
Que bom que eles existem.

Abraços

Ligia

ana cristie disse...

Quando eu parar de rir eu volto e comento!

Anne disse...

Até porque - a melhor coisa a se fazer para que as coisas fiquem melhores é ficar caladinha.
É assim que o mundo evolui.
bjos

Natalie disse...

SEN-SA-CIO-NAL, Taís!
sem palavras aqui, só me resta divulgar no FB, ahahah
bjos

Anônimo disse...

Amei e compartilhei!
Claudia Visoni

claudia de souza disse...

Tenho uma sugestão, que tal falar dos loucos?? Porque também tem esta espécie "insuportável", as loucas que querem parir naturalmente, ou as loucas que querem amamentar, as loucas que querem atendimento digno nas maternidades, as loucas que questionam os "médicos". Fala sério pq questionar o médico, ele é um semideus, dotado de todo conhecimento (rsrs), isto é coisa de louco, pelo menos é o que algumas pessoas acham.

Rita disse...

\o/

Sarah disse...

Muito, muito bom. Texto sensacional.
E que o mundo permaneça chato.
bjos

Lola Rodrigues disse...

Ai, eu ando tão chata... :p

Cristiana Menezes disse...

A-M-E-I o texto. Gente que pensa é chato mesmo.

giba disse...

De fundamento Tatá!

Bjs
Giba

Lia disse...

HAHAHHAHAHAHAH!!! Pois eu quero me mudar pra chatolândia... Minha filha de dois anos e meio anda tão chata, veja só: a gente demora meia hora pra chegar ao parquinho porque ela passa o caminho todo catando lixo da rua e jogando na lixeira. E ainda diz que "lixo e lixo têm o mesmo nome"!
Parabéns, Taís, amei, super me identifiquei. Também sou persona non grata por onde quer que eu passe. Mas tenho tido uma certa preguiça de ser chata, e quando alguém me diz que teve de fazer uma cesárea porque o líquido estava pouco, eu só sorrio e digo: "ah, é..?"

Flavia disse...

Quando eu parar de chorar eu comento...

Flavia disse...

Quando eu parar de chorar eu comento...

Paloma Varón disse...

Ahahaha, só li agora. Muito bom!!
Estou criando uma chata de menos 1,20 (ainda), que fica indignada se alguém faz algo proibido (fumar onde não é permitido, jogar lixo no chão, levar cachorro a áreas não permitidas, jogar bituca de cigarro em qualquer lugar...). Ela ainda não sabe ler, mas sabe o que é proibido pelas placas. Ela, como a mãe, outra chata, acha que algumas coisas têm que ser proibidas mesmo. É uma chatinha...
Beijos

Mi disse...

Sensacional!!!
Parabéns

Mariana - viciados em colo disse...

e quando a família toda é de chatos? chatos das mais diversas espécies, causas e qualidades?
manda chato pra cá que aqui ele se sentirá em casa!

Ana Júlia disse...

Bravo, Tais! Vida longa aos chatos!

Silvana disse...

Adorei!!Eu sou uma chata.Com muito orgulho!heheheh...

Paula disse...

Excelente!! Adorei o texto, acho até que vou fazer um bottom escrito "chata assumida". kkkkk

Anônimo disse...

Que chatura, hein? Larga disso e abre uma Skoooooooooooollll, malandro! (obrigado por me fazer sentir melhor quanto à minha chatura)

Hegli disse...

Vida longa ao chatonildos!
Adorei! kkkkk
Bjus

jluismatos disse...

Texto mágico, fluente, saboroso. Um texto Taís.

Márcia Nakamura disse...

Ah, mas também vc está exagerando com os chatos, rsrsrs, se nao fosse nós, os chatos, nao haveria mudanças.
Mas numa coisa vc esta certa, os chatos acabam se empolgando na chatice!

Thaila Fernandes disse...

Ainda hoje fui chamada de chata e convidada a parar de ser. Muito bom poder ler textos como esse, é um verdadeiro incentivam àqueles que são com frequência desmotivados, a continuarem a ser chatos e notar o quão importantes esses chatos podem ser. Obrigada por nos mostrar a importância de sermos chatos e assim nos motivar a continuar sendo assim.

Gabriela Scardone disse...

Sou fraca para elogios...

Anônimo disse...

O texto até poderia ser bom, mas cai em vários clichés. Acho que já cansou esse negócio de "pra que trigonometria serve na prática?". O que a mídia e blogs como esse têm que fazer é parar de demonizar a matemática e reconhecer o papel que tem no desenvolvimento do raciocínio. Nunca pararam pra pensar que também há crianças que odeiam arte mas amam matemática? Por quê ninguém nunca reclama do ensino da arte na escola? Dê uma olhada em canais do youtube como o numberphile e olha o público que vê esse tipo de canal - muitos adolescentes de 13 a 17 anos. Ao contrário do que muitos blogueiros pensam tem gente (e, pasmem, adolescentes!) que realmente têm interesse na trigonometria. Perguntar pra trigometria serve na prática tem tanta sabedoria imbuída quanto perguntar pra que ler dom casmurro serve na prática.

Roze disse...

Muito bom o texto. O mundo sem os chatos ficaria muito chato!!!

Andressa disse...

Esse texto é genial!!! Muito bom mesmo. Parabéns!

Kelly disse...

Eu sou a chata praticamente lunática que acha que crianca tem direito a ser educada sem agressao.

Ana Cláudia disse...

Viva os chatos que promovem mudanças!

Suzana Palanti disse...

Gente que ótimo texto!!! Parabéns!