3.3.08

Escola particular x pública - II


A Telma, pra variar, arrasou nos comentários e nos índices enviados (vejam os comentários do texto anterior). Aliviaram um pouco meu lado "pensativo auto-culpante". Os índices são mesmo assustadores e por si só justificam um levante popular. Metade do Brasil chorou quando o Corinthians foi rebaixado pra segunda divisão. A escola pública é cronicamente rebaixada e não brota uma lágrima no rosto de ninguém.

E o comentário da Cristiane me lembrou da nossa amiga Regina, que mora na California e está penando com o filho matriculado em uma escola pública tida como uma das melhores dos EUA. Pelo que ela conta, uma máquina de moldar estudantes bem comportadinhos, conformados e que vão bem nos testes nacionais. Me lembrei também da Isabella, que tem filhos na escola pública belga e vira e mexe vai lá quebrar o pau com os arbitrarismos.

Mas mesmo isoladas, vejo que há boas experiências no ensino público brasileiro e gostaria de fazer parte delas. Uma boa idéia seria uma ONG que instrumentasse os pais e educadores de escolas públicas com apoio técnico e jurídico pra colocar o Estado no pau e obrigá-lo a melhorar escola por escola. Porque, que eu saiba, a lei existe. Falta boa vontade em implementá-la.

Li em algum lugar que nos EUA, principalmente em Nova Iorque, os pais que estão colocando os filhos em escola particular estão processando o Estado pra receber o dinheiro que seria investido na educação pública dos seus filhos. O raciocínio é ótimo: se o Estado é incompetente para gerir o ensino público, me dá o dinheiro que eu aplico onde está funcionando. Sou cidadão, pago impostos, meu filho tem direito. Só não uso por pura incompetência dos governantes.

Que tal lançarmos a moda por aqui?

5 comentários:

Silvia D. Schiros disse...

Caramba, quanta informação pra processar! E o que a Telma falou, sobre a dificuldade para conseguirmos mudar as escolas, mesmo as particulares, é desanimador. Se não encontramos, de cara, a escola dos sonhos, as chances de conseguirmos mudanças significativas que melhorem a qualidade do ensino são pequenas.

Vamos criar uma CPM na escola das crianças? Ou já existe e eu não sabia? Vamos marcar o tal café?

telma disse...

Infelizmente, há inúmeros outros dados, e não são mais animadores...
Gostei da analogia com os corinthianos... é lamentável. Somos o país do futuro, no futebol! Desse jeito, continuaremos sempre sendo o país do futuro, futuro este que nunca chegará...
A idéia da ong é boa, poderíamos também exigir que os filhos de quem tem cargo público frequentassem as escolas públicas (momentos de delírio)... O problema é que muitos dados também são relativos as escolas privadas (como por exemplo os dos enem e os do PISA). Pouquíssimas privadas são melhores que as públicas.
Além de inúmeras tentativas isoladas e bons trabalhos, há um grupo de empresários que se uniram. Vejam o site:
http://www.todospelaeducacao.org.br/TodospelaEducacao/
é um dos exemplos.
Mas superar essa enorme lacuna de toda uma geração e impedir que esse descaso se perpetue é preciso muita vontade e empenho de todos, principalmente de nossos políticos...

Cristiane Fetter disse...

Eu concordo plenamente com esses pais Novaiorquinos, sabe por quê?
Porque aqui os impostos são muito, mas muito caros, a casa que eu moro que é pequena, deve ter uns 80 metros quadrados (mas o quintal é gigastesco, tanto na frente quanto atras) custa uma média de 7 mil dolares ao ano.
Se deste valor nada for revertido para as escolas, então pq pagar tão caro.
Só que na cidade que eu moro (que tem alto padrao de ensino público e por isso é muito procurada por novos moradores), já que só pode estudar nestas escolas quem realmente mora na cidade, isto acontece. As escolas são muito bem estruturadas e tenha você dinheiro ou não, vocêm tem DIREITO a esta escola.
Até fiz um post sobre isso lá para o O Futuro do Presente
http://ofuturodopresente.blogspot.com/2007/07/educao-como-que-parte-1.html
http://ofuturodopresente.blogspot.com/2007/07/educao-como-que-parte-2.html
que explica muita coisa da minha cidade.
Enquanto atitudes como esta não forem tomadas por parte dos cidadãos brasileiros, o poder público responsável pela educação não vai tomar vergonha na cara e fazer nada.
Abraços

Ana Cláudia Bessa disse...

Gente,
vamos lançar um manifesto?
Estou dentro!
quando a sociedade começa a fazer barulho, as coisas não mudam da noite para o dia, mas o proceso se inicia de alguma forma...
Vamos amadurecer a idéia?

Anônimo disse...

Tenho 39 anos me formo esse ano em Pedagogia e sua angústia é compartilhada por mim e minha esposa. De fato sofremos entre o ideal e o rela em relação a escola publica, mas acredito que minimanente a questão está na agenda sócio-politica. Pelo menos perceberam que acabar, com a inflação, pagar o FMI, investment grade e tals não nos levará ao 1 ° mundo; somente uma educação pública de qualidade fará o Brasil avançar. Parabéns pelo seu BLOG.