9.11.10

Estão fumando droga na casa do vovô.


Estão fumando droga na casa do vovô.

As crianças entram na sala aos berros:

"Mãe! Achamos droga na casa do vovô!"

A mãe, que descansa no sofá, abre só um dos olhos. O suficiente para ver um baseado na palma da mão de um deles.

"Droga, mãe! Droga! Alguém tá fumando droga na casa do vovô!"

A mãe dispara com aparente calma:

"Isso parece droga, mas não é. É o cigarro caipira da fantasia da tia Lola. Sabe a festa caipira da chácara? Ela vai fantasiada e todo caipira tem um cigarrinho destes na orelha."

As crianças olham incrédulas pra mãe. De repente, disparam atrás da tia Lola.

"Tia Lola, tia Lola, achamos droga na casa do vovô! Droga, tia Lola! Alguém tá fumando droga aqui!"

Na frente do computador, tia Lola segura a respiração diante da mãozinha gorducha que acena com um baseado. Atrás deles vem sua irmã, a mãe das crianças, repetindo a explicação da festa caipira. Uma sobrancelha erguida e a história se confirma.

As crianças entregam o cigarrinho pra tia e se afastam mudas. Aparentemente, frustradíssimas pelo insucesso da descoberta.

Mais tarde, as irmãs se encontram na varanda.

"Você acha que eles acreditaram?"

"Só se tiverem herdado a retardice da mãe deles...fala sério! Olha, eu não tenho nada com a sua vida. Você é maior, responsável e blá, blá, blá..., mas vê se na próxima arruma uma desculpa melhor. Fantasia de caipira, na minha idade?! Tá me achando com cara de Dona Marisa?"

E as duas quase caem da varanda de tanto rir.

13 comentários:

Vanessa disse...

Menina, vc quer me matar de tanto rir? :-P

Tais, estou aqui para perguntar uma coisa. Topa fazer um prefácio para o livro que eu vou lançar, total e completamente independente e sem gastar um tostão graças a esses sites que vendem online? Como não consegui editora, vou soltar meu filho pelo mundo. O título é Culpa de mãe e fala do dilema moderno. Se puder, diga para qual email devo enviar o original pra vc dar uma olhada.

bjs

Tais Vinha disse...

Uia! Estou honradérrima com o convite. Claro que aceito! Manda o filhote pro email do Ombudsmãe mesmo, que lerei com carinho. Bjs!

Nine disse...

kkkkkk ai, ai...isso é bem coisa de tia doida mesmo, rsrsrs Beijos! Nine

Carolina Pombo disse...

Taís, ultimamente você tá com o fazedor de humor ligado à mil! Adoro vir aqui pra degustar de seus contos!

Beijos

Pimenta disse...

AHAHAHA, dez!
bjo

Tais Vinha disse...

Meninas, obrigada! Mas não é meu humor que anda a mil. É só o meu radar. Essas histórias de "vida de mãe", do Ombudsmãe, eu nunca invento. São pérolas da vida real que caem no meu colo. Eu só registro.

Bjs! E se tiverem um causo, me contem, plis!

PaulaZZT disse...

Vanessa, eu compro seu livro ok? (claro desde que vc nào queria me levar a falencia com ele, hahaha).
E se tiver prefácio da TaVi eu compro e quero autografado pelas 2!!
Tais, qto ao post, peloamor... Fico só pensando como serào meus comentários qdo o Leo começar a me perguntar dessas coisas...

Taís Vinha disse...

Paula, eu sei uma solução pro seu problema: esconda bem suas peraltices! Rs! Bjs!

Paula Duailibi Homor disse...

muito bom!

Caliê disse...

É, a galerinha vai crescendo e desenvolve um faro e interesse para coisa "errada".

Bj

Juliana Ramos disse...

MUUUUITO BOM!!!!!!
Que situação, hein?
Crianças acalmadas, tia astralizada, tudo certo!!!!
Adorei.
Bjos

Dani disse...

Adorei essa história!!! kkk

Tainá disse...

Muito bom, lembrou minha infância que a palavra maconha nunca foi utilizada, e a minha ficha só caiu bem mais tarde que aquele "cigarrin" que meus pais falavam era a tal da maconha que o Jornal Nacional anunciava apreensões!