Sair do armário é libertador.





Sair do armário é libertador.


Assumir que você vai votar num candidato do PT não é fácil. A pressão contrária é imensa.

As pessoas na sala de jantar presumem que por você estar ali, comendo o que eles comem, vestindo o que eles vestem, bebendo do mesmo vinho, você também tem que pensar igualzinho. 

Qualquer questionamento gera desconforto e, muitos simpatizantes da estrela vermelha, pelo bem do encontro, preferem escutar a conversa em estado “Ohmmmmmm”, sem se manifestar. 

Confesso que essa tem sido eu em muitos pleitos e rodas sociais. Mas dessa vez, escancarei. Saí do armário, mostrei quem sou, liguei o foda-se. 

“Vou votar na Dilma!”

E o que aconteceu a seguir foi incrível.

Alguns amigos se afastaram. Tudo bem, não eram amigos.

Outros se aproximaram. Ueba, a fila andou e com gente bem mais interessante.

Alguns discordaram com todo respeito. Continuamos amigos e nossa amizade ganhou transparência e um carinho sincero.

Alguns me ofenderam. Esses devolvi pro Mark Zuckerberg sem direito a retorno. Ele saberá melhor do que eu o que fazer com eles.

Alguns surtaram, deram piti, se decepcionaram. A esses fortemente recomendo um psicólogo.

Uns poucos tentaram me reabilitar. E eu disse no, no, no.

E hoje, no dia derradeiro em que decidiremos o futuro da nossa amada e idolatrada nação, quero dizer que valeu muito a pena.

A vida fora do armário não é fácil, nem livre de questionamentos, mas é mais leve, corajosa, divertida e sempre aparecerá alguém pra te dar a mão e dizer “Tamujunto!”.

Agradeço aos meus amigos gays, às Gadus, Laertes e Willys dessa linda vida. Sempre que um de vocês assume, empoderam não apenas os homossexuais. O armário é imenso e tem gente de todo tipo. 

Agradeço também azamigas ativistas, que me ensinam todos os dias que é preciso descer do muro e tomar partido. Literalmente.

Hoje vou votar na Dilma e, ganhe quem ganhar, saio dessa campanha me sentindo vitoriosa. Escolhi meu lado, o defendi e vivi uma experiência incrível de cidadania e de conhecimento. Não apenas próprio, mas também do Brasil, da sociedade que vai muito além dos muros do meu condomínio e das pessoas que estão ao meu redor. 

O lado de fora do armário é bem maior que meu umbigo. E é desse lado que quero viver e criar meus filhos. 

Que todos nós tenhamos um domingo de paz!


Imagem tirada daqui

Comentários

Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Bastian Silva disse…
Eu também escancarei o armário esse ano, pra desgosto geral do pessoal no meu trabalho e da minha mamusca. Phoda-se! Esse ano é 13!
E que ódio é esse aí do sr. anônimo logo na hora do almoço? eu, hein!
Beijo na bunda, querida
Priscila Blazko disse…
Muito bom. E vamoquevamo porque política fazemos todos os dias, em todos os lugares. E nessas pequenas políticas cotidianas, tento ser mais ética e mais honesta. E mais humana. Abraços ;)
Tais Vinha disse…
Exclui a grosseria do anônimo, porque elegância é um must, até nas divergências. Um dia, quem sabe, no tempo dele, meu amigo anônimo tb saia do armário e assuma ao menos o nome que tem. Mais amor!

Tais Vinha disse…
Bastian, estou gostando de seus beijos! Rs!
Nivea Sorensen disse…
Tais, que lindo! Eu também sai do mesmo armário esse ano, coincidentemente, o primeiro ano eleitoral do meu filho. Esse negócio de armário e muro definitivamente não me pertence e esse exemplo de coragem para assumir uma posição eu deixo para ele com muito orgulho.
Excelente o teu texto, adorei!
E tô contigo em todos os sentidos.
A gente tem que assumir nossa posição e encarar, afinal ninguém consegue manter a neutralidade por muito tempo...e quem consegue acho que tem uma vida infeliz.
Ontem votei Dilma e tô feliz dilmais com o resultado!
Beijos
Priscila Sant'Anna
Tais disse…
Uma amiga compartilhou este texto no Feice e uma pessoa comentou que sente exatamente a mesma coisa, sendo do PSDB em uma família de petistas. Achei muito legal a inversão do ponto de vista e como é difícil para todos nós nos erguermos contra a maioria.
Maria Tereza disse…
Eu sempre fui discreta, porque tem pessoas tão intolerantes que é bom nem levantar o assunto.

Mas quando saí do armário geral, exigi respeito. Fui deixada de lado , xingada por primas queridas e tudo mais.

Deixei os insuportáveis grupos do whatsapp, as pessoas não tem menor noção de democracia e educação. Todos devem ser padronizados.

O melhor é que conheci muito bem as pessoas, fiquei seletiva e dispensei quem não me faz falta. Porque se a pessoa não consegue respeitar uma opinião política, não dá pra conviver. Ter amigos só para rir é coisa de criança.

Sair do armário é importante, porque acho que tem gente que vota naquele como quem compra a camiseta da moda só para ter a sensação de pertencimento.
Francine B. disse…
Eu ainda não sai do armário, porque eu nem achava que estava nele até esta eleição. Nunca simpatizei com o PT, nasci numa família de classe média e aprendi a pensar como eles desde cedo. Aos poucos estou olhando pra fora e olha estou feliz por mim. Mais confiante, mais orgulhosa de mim. Mesmo sabendo que preciso aprender muito ainda. No entanto, tenho que concordar com vc numa coisa, é realmente difícil sair do armário. Tem muito ódio, preconceito e xenofobia escondida atrás de gente que vive perto e eu achava que era bacana. Tipo um primo, que se assumiu homo esses tempos e que eu gostava muito, mas que colocou coisas terríveis sobre os nordestinos. Contraditório não?? É complicado, pq não dá pra excluir todo mundo do face e sair de boa. São pessoas da família, amigos de longa data. Me sinto sozinha. A ovelha vermelha da família.