6.11.13

"Filho, se vira."





"Filho, se vira." 



O menino sai da escola bravo e muito agitado. 

"Mãe, me tira dessa escola! Me tira dessa escola, já!" 

"Nossa! O que aconteceu?!" 

"Eu não aguento mais uns meninos da minha classe. O Fulano e o Beltrano ficam me zoando! Mãe, me põe noutra escola, hoje!" 

O mãe fechou os olhos por alguns segundos. Sempre havia sido muito solidária com as queixas do menino, conhecia seus problemas de relacionamento, mas dessa vez não sabia como reagir. Respirou fundo, seguiu sua intuição e a fala veio como se estivesse tomada por outro ser. 

"Filho, senta aqui e preste muita atenção no que vou dizer. Eu e seu pai já fizemos tudo o que podíamos pra te ajudar com os amigos da escola. Já conversamos com professora, com coordenadora, te trocamos de escola o ano passado, tornamos a falar com professoras e coordenadoras dessa nova escola, juntamos a turma pra um cinema, convidamos amigos pra brincar em casa. Você está lembrado disso tudo?" 

O menino cruza os braços emburrado. 

"Tô." 

"Então, nossa parte, eu e seu pai cumprimos. Agora, filho, está na hora de você cumprir a sua. Se vira, porque você não vai mudar de escola. Se esforce para se enturmar. Você é um menino querido e esperto. Tenho certeza que logo vai estar cheio de amigos. Agora é com você." 

O menino olhou com estranheza para a mãe. Depois abaixou a cabeça e seguiu pensativo o resto do caminho até a casa. 

A mãe respeitou o silêncio. A bola estava com ele, isso tinha ficado claro e, naquele momento, qualquer outra palavra viraria sermão. 

No peito um fiozinho de angústia quis se formar, mas a leoa, aquela que rosna para que a cria se afaste e aprenda a caçar, rugiu alto e o fiozinho se desfez.

7 comentários:

Silvia D. Schiros disse...

Nossa, preciso aprender com essa mãe a falar e calar também, pra não virar sermão. Às vezes tento explicar tanto que as meninas até acham que estou brigando - quando não é minha intenção.

Mariana - viciados em colo disse...

per-fei-to!

saudade muito-muito grande de você.

Patrícia Gomes disse...

Ai, até eu senti a leoa rosnando :-) Mas é assim mesmo, leoa!

lili disse...

Eles não sabem, mas partem nosso coração de todas as maneiras possíveis e iimagináves

Gaby disse...

A-D-0-R-E-I ²

Paula Zandonadi Zanirato Tristão disse...

Silvia, se vc aprender me ensina :-)

TaVi, fiquei curiosa com o qeu aconteceu com essa historia? :-) Se está funcionando :-)

Anônimo disse...

Desculpa, mas isso me deu um mal estar. Sofri bullyings inimagináveis na escola e tudo q meus pais diziam era "se vira". Precisou eu tentar me matar, anos depois, pra eles perceberem q poderiam ter me ajudado.