1.11.12

Planejamento Familiar




Planejamento Familiar

Nunca foi boa em planejar viagens. Deixava tudo pra última hora. Sabia que isso irritava amigos e familiares, além de ser uma atitude de risco. Mas achava que, com crianças, fazer planos era ainda mais arriscado.

E desse jeito viajandona ia levando a vida e os passeios. Na véspera resolvia, enfiava filhos, papagaio e violão no carro e partia. 

Até que este ano, resolveu tomar uma atitude premeditada. Decidiu com um mês de antecedência que iria para Florianópolis.

Trinta dias de antecedência era tanto tempo que precisou racionalizar internamente a atitude: o semestre estava quase acabando, os filhos iam faltar uns dias na escola mas eram bons alunos e mereciam um descanso, a passagem de avião comprada antes era mais barata, 2012 poderá ser o último ano de suas vidas... 

Estava imensamente feliz consigo própria. Para dar conta dos preparativos arrumou até uma agendinha, onde anotava "comprar biquini", "avisar escola", "comprar passagem de ônibus para o aeroporto", "depilar", "contratar cuidador para a gata". 

Até que a uma semana do embarque, vem a notícia: os dois filhos, pela primeira vez, haviam ficado de recuperação. O mais velho em três matérias. O outro em uma. As provas, como era de se prever, eram exatamente na semana da viagem. 

A mãe bufa e contém os ímpetos assassinos com uma taça de vinho. Mais calma, vai conversar com os filhos. 

"O que houve?" 

"Decidi sentar no fundão. Não deu muito certo, né...", foi a explicação do mais velho. 

"Eu achei que tinha zerado a prova, mãe, juro!", disse o menor, na linguagem de quem passa por todas as fases e arrasa no videogame. 

A mãe decide que este problema não lhe pertencia. Era deles. "Escutem. As passagens estão compradas. Eu e seu pai vamos de todo jeito. Resolvam com a escola e vocês irão com a gente. Se não resolverem, ficam para fazer a prova." 

"Como assim?!" esperneiam. "Tá maluca?! Você tem que ligar lá e falar com a coordenadora!" 

"Não ligo! Ligaria se fosse doença ou outro motivo grave. Mas sem vergonhice não é problema meu. É de vocês. Querem ir pra Floripa, resolvam." 

"Você vai fazer isso com a gente?!" 

"Eu! De jeito nenhum. Quem fez isso com vocês foram vocês mesmos. Assumam e se virem." 

Por dentro, ela cruzava os dedos e torcia. "Deixar os fidamãe com quem? Mudar a data também não dá. Comprei passagens do tipo 'impossível remarcar - a senhora quer que desenhe?' Será que ligo para a escola escondida?"

Para piorar, os meninos esperneavam diariamente, implorando para a mãe intervir. Mas ela decidiu manter-se firme. Além de confiar no sevirômetro deles, achava que havia ali uma preciosa lição a ser aprendida. 

Os dias foram passando, a viagem se aproximando e nada. Até que faltando 2 dias para o embarque o mais velho chega em casa pulando: "Conseguimos! A coordenação liberou para a gente fazer as provas noutro dia." E completa, cutucando o irmão: "Ufa, dessa vez achei que a gente tinha rodado! Você viu a cara da coordenadora quando a gente falou com ela? Nunca imaginei que ela fosse topar!" 

Enquanto os dois se afastam, a mãe senta para relaxar. Santa coordenação! A viagem da família estava salva. Podia seguir com os planos. Que daqui para frente voltariam a ser poucos. 

Esse negócio de planejar com antecedência é estressante demais. Como alguém consegue viver assim?




4 comentários:

Nine disse...

Amei, amei! Já eu planejo tudo com antecedência, mas confesso que depois dos filhos acabei ficando mais alavontê...surto sempre, como alguém consegue viver assim, sem planejamento??? :)
Beijos,
Nine

Rita de Cassia de Sá disse...

Essa sou eu ?? rs..Não planejo nada, vivo atrasada, sempre esqueço algo. Já era assim solteira e depois de ter marido e filhos (4 e 2 anos)pouco mudei. Mas no ano passado resolvi mudar isso e 2 meses antes planejei tudo, comprei tudo e até piscina inflável gigante, cercadinho, leites, fraldas, suco de caixinha mandei antes pro interior, na casa da minha mãe, onde viajamos sempre. Pois bem, faltando uma semana para a viagem uma mulher com o carro desgovernado bateu no meu portão destruindo-o e o nosso carro de 7 lugares tão aguardado para a ocasião tbém. Tudo bem vai, vamos com o outro...Mas na revisão de rotina o mecânico trocou a correia errada e pifou a parte de cima do motor. Não acreditei que aquilo estava acontecendo comigo. Resumindo: Minha ceia de Natal foi comer pizza na padaria com o marido, as crianças e meu sobrinho...a pé. Credo, não gosto nem de lembrar...rs

Francine Barrionuevo disse...

Eu sempre planejei tudinho e com muita antecedencia...só que sempre acontece exatamente isso, alguma coisa sai completamente fora do planejado...e consequentemente sofro, não sei lidar com imprevistos. Estou aprendendo a duras penas não estragar com tudo por essa minha falat de jogo de cintura...hehhe
bjão

Girassol disse...

Acabei de conhecer seu blog e já me identifiquei muuito ... nesse mundo bloguistico só vejo mãe passando a mão na cabeça dos filhos por medo de traumatiza-los, mas vc é das minhas.
#amorelimites#