15.4.10

Dei uma de mãe!


Dei uma de mãe!

Essa semana fiz algo inédito. Dei uma de mãe passional. E aviso: cuidado com elas!

Sou do tipo que, antes de sair fazendo justiça com as próprias mãos, tento ponderar, procurar o caminho da justiça, da coordenação, da professora, da imprensa, dos discursos inflamados, das cartas para o senado, para o conselho tutelar e o que for.

Mas dessa vez deu a louca.

Meu filho tem um colega que, repetidas vezes, o humilhou. Até agora, segui os manuais e deixei que ele resolvesse, acompanhando de longe, aconselhando e dando força para que ele fosse à luta.

Até que semana passada o tal colega se superou. Humilhou novamente meu garoto, fazendo-o de bobo. E a situação chegou a um ponto que ele não conseguiu mais resolver por conta própria. Era engolir o sapo (e esperar os próximos) ou alguém maior e mais forte dar um jeito.

Não tive dúvida. Peguei o telefone e liguei pra mãe dele. Nunca tinha feito isso. Fui educada, tinha que ver, mas contei a ela o que aconteceu e solicitei providências.

Obviamente, a mãe do outro menino exerceu o direito absoluto de ficar do lado do filho dela e de me achar ridícula. Mas resolveu a situação. De um modo que discordo, mas cada mãe é livre para resolver da forma que melhor lhe aprouver os B.O.s da prole.

Hora depois, com a cabeça mais fria, a ficha caiu e consegui refleti melhor sobre o acontecido. Tinha dado uma de galinha choca. Da mais pura estirpe. Do tipo que é apontada nas reuniões de pais e festinhas.

E me senti ótima!

17 comentários:

Paula ZZT disse...

hahaha, que ótimo. A gente tem dia de louca, tem dia de deusa, e tem dia de mãe galinha, mãe leoa.... Até para poder chegar o dia da mãe onça (acho que é a onça que tem que expulsar os filhos para que eles cresçam, clara que não precisa ser tão radical, mas a msg é, filho cresce longe tb), precisamos ser protetoras :-)

Bjoks
Paula

Paula ZZT disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pimenta disse...

Sinta-se ótima.Acho que foi mesmo.
As vezes, as mães não estão vendo esse lado(o que agride e humilha)nos seus filhos.
Somente quando são alertadas, passam a observar, e tem a chance de corrigir.
Aconteceu aqui, e a mãe do menino em questão não fazia idéia.E o pobre menino estava reagindo ao meio,fazendo o que via os outros fazendo.(lado negro das escolas americanas)
Depois que a mãe tomou conhecimento, o menino mudou, e hoje é querido pelos que fugiam dele.
Foi vitória total para todos.
bjo, mãe herói!(que heroina é feio demais)

Tais Vinha disse...

Pimenta, pois é, quando liguei me imaginei recebendo o mesmo telefonema e pensei em como reagiria. Acho meu primeiro impulso seria defender meu filho. Porque é duro mesmo alguém te dizer que seu filho tá aprontando com os amigos, mas pior ainda é ignorar completamente, não? Essa mãe que vc cita deve estar bem aliviada de ter tomado conhecimento e conseguido promover um desvio de rota.

Mas no meu caso, eu não liguei pro que a outra mãe iria achar, sabia? E acho que isso que me fez sentir tão bem. Alguém tinha que botar um fim no negócio e a escola, nesse caso, não tinha muito a fazer. Achei que minha imagem perante a comunidade "mães da escola" podia ir para aquele lugar desde que aquele menino parasse de perseguir o meu. IIIIIIh, Paula...olha a mãe leoa voltando ao ataque!

Silvia disse...

Taís, pra tudo tem limite. Também estimulo as meninas a resolverem os problemas sozinhas, mas tem criança que abusa mesmo. E aí a gente tem que dar uma de fofoqueira, não tem jeito. É a coisa mais chata do mundo falar "olha, teu filho tá fazendo isso e aquilo com o meu, toma uma providência". Já dei uma de galinha choca mais de uma vez, mas sempre depois de me encher com a falta de ação dos responsáveis. E, de um modo geral, aprendi que as crianças que aprontam dessas não costumam receber muito limite dos pais. Não sei se era o caso, mas os que observei eram. Ou eu é que não soube abordar a mãe direito, sei lá.

Pérola disse...

Taís,
Eu tenho um problema: mãezilla...hahaha
Meus protocolos seguem por 5min. no máximo. Quando o assunto é filhos, eu viro leoa mesmo...Ai, ai...
Por isso, divido bem as tarefas com o pai que é mais, digamos, diplomático.
D. Taís, faz favor de não sumir muito tempo não, hei?! Faz falta! =)
Beijão!

Lia disse...

Sabe o que é pior? Quando a criança é o demo, normalmente os pais são iguais. E é difícil argumentar com essa gente.
Sei lá o que eu faria no seu lugar. Bullying é terrível. Enfim, às vezes a gente tem mesmo de intervir pra defender nossos filhos.

Caliê disse...

Eu faria à mesma coisa! Só de ler já imaginei os meus filhos no lugar e acho teria que recorrer a muitos mantras para manter a diplomacia.

Paloma disse...

Apoiada. Sinta-se ótima mesmo. Em alguns momentos, é preciso uma intervenção dos adultos, pra dar limites. Eu teria feito o mesmo. bjo
Paloma e Isa

piscardeolhos disse...

mas que moleque abusado, humilhando a cria alheia??
apoiadíssima, onde já se viu?!!
e se precisar de reforço a gente espera o garoto na saída.
humpf humpf.

Anônimo disse...

Tais, há algum tempo leio seu blog pois adoro seus textos. Antes de toda nossa filosofia, somos "Mães" e na hora que o calo aperta pro lado dos nossos não tem jeito, a fera aflora com intuito de proteger. Já passei por isto também!!!
Um abraço. Adriana.

Tais Vinha disse...

Queridas, este final de semana, contei detalhes da história para algumas amigas e vi que é tão ridícula! Fui passional mesmo. Mas continuo me achando ótima. hahahahahahahahahahahahaha

E pelos comentários, vejo que não sou a única!

Bora lá, ser mãe até a raiz do cabelo. Se não tivermos direito a isso, teremos a quê?

Bjs!

Gabriela Prado disse...

Tais,
acabei de encontrar seu blog. Na verdade não tenho idéia de como chegeui aqui!! hehe

Mas estou adorando! Acho maravilhoso poder trocar experiências com outras mães, mesmo que seja apenas na blogesfera!!

Vou linkar o seu blog no meu , ok?

Quem sabe vc não aproveita e me dá uma visitadinha??

http://amaesoueu.blogspot.com/

BJs, Gabi

Ceila Santos disse...

Hummmmmmm, sério??? Ando me segurando tanto com a mesma situação que já dura 4 anos. Eu passei até ter raiva da garota. Para se ter uma ideia, no ano passado, a Malu chegou a jogar um brinquedo na testa da garotinha e tive de ligar para mãe, louca pra dizer tudo e explicar que aquilo era pura reação. Mas segurei e só disse que aquilo era uma reação à relação da duplinha, que a filha dela provocava demais e pedi desculpas. A escola foi um pouco sacana em tentar reprimir a ~reação da Malu, mas consegui contornar tudo e fiquei do lado da minha filhota dizendo que qdo a raiva explode, essas coisas acontecem. Temos superado tudo com muito dialogo e estrategias para ela enfrentar sozinha a garota. Mas...minha vontade é de ir lá e aprontar o maior barraco...Tinha medo...lendo vc...deu coragem!!! YARRRRRRRRRRRRRRRRRR... AUUUUUUUUUUUUUUUUUUU

Marina Fiuza disse...

Huhauhauhauahuah... ótima!
Sabe que às vezes eu até rosno? hehe

Gleice C. disse...

Excelente, me sinto até melhor em ler essas frases!!

Ana Cláudia disse...

Só prá dizer que estou com muita saudade de você.
Mãe-galinhachoca-invocada-baixinha.
:0)