13.9.17

Contém zoofilia, adultério e degeneração familiar



Contém zoofilia, adultério e degeneração familiar 

Era uma vez uma princesa, chamada Leda. Ela era tão linda, mas tão linda, que logo apareceu um rei querendo esposá-la. Leda aceitou e eles foram viver no Reino de Esparta. Todos os dias, depois de tomar seu café da manhã de rainha, Leda deitava-se na grama para um delicioso banho de sol. Naquele tempo não tinha biquini, então Leda ia nua mesmo. 

Esse arreganhamento todo chamou a atenção de um cara do andar de cima, chamado Zeus. Zeus pirou no corpão da moça e fez um plano para possuí-la. Transformou-se num cisne e assim conseguiu entrar no jardim da rainha. Ao ver aquela ave com aquele pescoção, Leda não resistiu. Voou pena pra todo lado. 

Naquela noite, Leda ainda transou com o rei Tíndaro. O resultado desse dia muito louco foi uma gravidez que deu a luz a dois ovos. De um dos ovos nasceram as gêmeas Helena e Clitemnestra e do outro, Castor e Pólux. Naquele tempo também não tinha DNA, então não se sabe até hoje com certeza quem era flho de Zeus e quem era filho de Tíndaro. 

A história da mulher que trepou felizona com uma ave (ou não e, nesse caso, teríamos que colocar mais um aviso no título - estupro), chama-se “Leda e o Cisne” e foi contada há milhares de anos por vários escritores da mitologia grega, como Virgílio e Homero. É tão sedutora, que grandes mestres da pintura, escultura e fotografia renderam-se aos seus encantos, como Michelangelo, Leonardo da Vinci, Rubens, Tintoretto, Cezanne, Klimt, Salvador Dali, Man Ray e muitos outros. Leda e o Cisne também virou peça de teatro, balé e um famoso poema de Yeats, prêmio Nobel de literatura. 

Uma história que transforma o grotesco em beleza e que teria se perdido se, naquele tempo, os mecenas da arte tivessem dado ouvidos ao arrulho dos puritanos medíocres. Não deram, graças a Deus ou a Zeus.

Artist:

Adolf Ulrik Wertmuller

 (Swedish, 1751–1811)

Um comentário:

Regina O de Freitas disse...

Sempre espero um texto pontual e delicioso de ler e sempre me surpreendo. Adoro muito suas reflexões Tá.