12.4.16

Solo pobre



O aluno de 12 anos sente-se profundamente injustiçado pela reprimenda da professora e, diante da recusa dela em ouvi-lo, deixa escapar toda sua indignação: “Ah, vai se fuder, Fulana…não fui eu que fiz isso!”

O palavrão dispara a indignação da professora que começa a berrar. Seus gritos ecoam pela escola e são ouvidos até do segundo andar do prédio - punição número 1.

O garoto é mandado para a coordenação - punição número 2.

Lá, tenta se explicar em vão. Aparentemente, nessa escola, dizer um palavrão ao professor é o mais grave delito. Tão grave que lhe priva o direito de ser ouvido - punição número 3.

Ele é mantido na coordenação durante toda a aula e recreio - punição número 4.

Recebe uma advertência para levar para casa - punição número 5.

É encontrado tempos depois pelos colegas, sozinho num canto, chorando convulsivamente. As crianças se solidarizam com o amigo. Na vergonha. No excesso das punições. Na perda do intervalo. No berros da professora. No palavrão que podia ter escapado da boca de qualquer um deles.

Temem que ele seja suspenso. Querem fazer uma camiseta “Resiste Beltrano”. 

Mesmo com tanta aridez, a meninada ainda é capaz de fazer brotar algo lindo. Imagino o que seriam capazes se o terreno fosse fértil, generoso, acolhedor.

E quando olho pra esse solo pobre, empedernido que tem a pretensão de colher gente melhor, adubando com bronca, bilhete e berro, só uma expressão me vem à mente:

“Ah, vai se fuder.”




6.4.16

Chá de Revelação



“Amoras, fui convidada para um Chá de Revelação.”

“Chá de Revelação? Qué isso?”

“Tentem adivinhar?”

“Já sei…o garoto ou a garota convida a família: vó, vô, pai, mãe, tio, primos, babá, vizinhos. Senta todo mundo na sala e, de repente, sai de dentro do armário. Revela que é gay. E as pessoas tem que levar presentes pra montar o novo guarda-roupa.”

“Ai, eu já pensei outra coisa…você convida família, amigos, galera, senta todo mundo em círculo e serve um chá tipo lírio, sei lá, desses de erva que abre a mente, sabe? Daí o chá vai circulando enquanto as pessoas compartilham suas revelações.”

“Não, gente. É uma piração beeem maior.”

“Maior? Então só pode ser reunir todo mundo pra tomar o chá revelador e, quando tá todo mundo locão, o fulano ou a fulana pula de dentro do armário.”

“Não, pior ainda. Chá de Revelação é convidar os parentes e amigos pra revelar o sexo do bebê depois do ultrassom.”

“Sério! Existe isso?! Que bizarro!”

“Menina, as pessoas hoje em dia têm cada ideia, não?! Quem ia pensar uma coisa dessas? Sexo de bebê agora é evento?”

“Como será? Tem tipo gelo seco e datashow com slides do pintoco ou do capozinho de Fusca aparecendo no ultrassom?”

“Sei lá, nunca fui em um! Mas não perco por nada!”

“É, tem que conferir. Mente criativa dessa turma, não?”

“Demais. E a gente achando que já viu de tudo…passa o chá, por favor. É camomila? Tem de lírio, não?”