23.7.13

"Filho, escolha bem seu mau exemplo."




"Filho, escolha bem seu mau exemplo."


Mãe e filhos assistem à entrevista do Giba, do volei, para um programa esportivo. 

O repórter pergunta sobre o episódio do dopping e Giba esclarece que consumiu cannabis de forma recreacional, foi pego, virou notícia e se arrepende muito, pois por ser um atleta famoso, era exemplo de conduta para muitos jovens. 

O caçula entra na sala: "Pessoal, marcaram a luta revanche do Anderson Silva! Vai ser em dezembro!"

O mais velho complementa: "Que armação!"

A mãe questiona? "Armação? Como assim?"

"A luta que o Anderson Silva perdeu foi armada. Ele perdeu de propósito para marcar a revanche. Ele vai ganhar muita grana com essa segunda luta." 

Indignada, pra variar, a mãe argumenta: "Não acho que foi armada. Acho que ele perdeu e inventaram essa história de armação para não ficar ruim pro lado dele. O povo infelizmente acha melhor um trambiqueiro do que um perdedor."

"Que isso, mãe! O próprio Anderson Silva riu quando o repórter perguntou se era armação. Você acha que ele ia dar aquela risadinha se a luta fosse séria?" 

A mãe se afasta pensativa. Aparentemente, o próprio lutador estava alimentando os boatos. E se foi mesmo armação, o atual ídolo da luta é um farsante. Mas, se tiver perdido de verdade, está ensinando aos seus jovens fãs que não há vergonha em fingir. Vergonha é perder." 

Foi fazer o almoço pedindo aos anjinhos da guarda para orientarem os filhos. Na hora deles escolherem um mau exemplo, que escolham o do Giba.

3.7.13

"Pais omissos é o caralho!"


 

"Pais omissos é o caralho!"

Disseram que não sabemos dar limite aos nossos filhos.

E eles invadiram o Congresso, desmascararam a Fifa e mandaram a Globo tomar no cu.

Disseram que os mimamos demais e damos tudo que eles pedem.

E eles espernearam até conseguir abaixar a tarifa do ônibus, derrubar projetos de lei duvidosos e movimentar a reforma política.

Disseram que não ensinamos o respeito à autoridade.

E eles não abaixaram a cabeça nem com bala de borracha, bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral.

Disseram que somos ausentes.

E eles compareceram.

Nos chamaram de desatentos.

E eles atraíram a atenção do mundo inteiro.

Falaram que era absurdo famílias desestruturadas, pais veados e mães sapatas criarem uma criança.

E eles gritaram que absurda é intolerância e a homofobia.

Nos acusaram de sermos frouxos por educarmos sem bater.

E eles gritaram pela não violência.

Previram que essa geração não teria futuro.

E eles devolveram que um futuro como o nosso, eles não fazem questão alguma de ter.

Da próxima vez que alguém nos apontar o dedo e ditar regras sobre como criar nossos filhos, apontemos outro. O do meio.

E sigamos de cabeça erguida.


Foto tirada daqui: http://heroisbadernistas.tumblr.com