1.6.11

Deputado Carlinhos Almeida, o senhor me deve uma explicação.


Deputado Carlinhos Almeida, o senhor me deve uma explicação.


Sou mãe. Não sou jornalista, analista político, nem tenho treinamento que me permita entender os meandres da política.

Portanto, só com sua explicação talvez eu consiga entender o motivo do senhor ter votado a favor do novo Código Florestal.

Fui sua eleitora nas últimas eleições. Meu voto ajudou-o a se eleger deputado. Portanto, me sinto responsável por seu voto. E muito envergonhada da minha escolha.

O novo Código foi regidigido sob intensa polêmica. Muitas vezes, representantes do seu partido foram à mídia para protestar contra seus abusos. Dizem até que nossa Presidente, que carrega no peito a mesma legenda que o senhor, achou tudo uma vergonha. Aparentemente, muita gente do seu partido não concorda com ela. Foi expressiva a votação do PT a favor da bancada ruralista.

Então, dá para alguém me explicar o que houve? 

Quebrando muito a cabeça, só consigo encontrar três supostas explicações:

1) Vendo que era caso perdido, vocês manobraram para jogar a decisão para o Senado. Neste caso, deputado, o senhor poderia ter sido coerente com sua presidente e seus eleitores. Seu voto não teria mudado o resultado da votação. 

2) A Presidente não está tão envergonhada assim. E foi tudo um teatrão para que a expressiva parcela de eleitores preocupados com os abusos do novo código não fiquem contra ela, nem contra o governo. Desse jeito ela sai enfraquecida, mas não queimada.

3) O senhor, infelizmente, não defende as idéias que eu pensei que defendesse. E apóia a bancada ruralista. O capital sem ética. Os assassinatos corriqueiros de ambientalistas. As siderúrgicas que queimam árvores milenares. O perdão para quem desmatou. A redução das áreas de preservação. Apóia, um Brasil que abre mão de seu maior patrimônio em troca do lucro imediato para somente alguns.

Sinto muito, deputado, pelo seu voto. E pelo meu. Sinto mais ainda pelo Brasil e pelo Congresso que o representa. 

Se podemos tirar algo de verdadeiro nisso tudo, é só a vergonha. 


7 comentários:

Fanny Barbosa disse...

parabéns pelo texto,
espero que pelo menos 10% d apopulação faça valer nas próximas eleições suas escolhas!

Silvia - Faça a sua parte disse...

Olha, Taís, você sabe que ando bem descrente com os políticos. Meu "alívio" (nem sei se dá pra ser tão grande assim) é não ter elegido ninguém que votou a favor desse código Frankenstein. De qualquer maneira, eu esperava, ainda assim, estar melhor representada.

Mas eu tô de olho. Depois das eleições, eu guardei a lista dos senadores e deputados eleitos por SP para ver como está sendo o trabalho deles. Porque eu vou levar isso em conta em eleições futuras. Se eles mostrarem um bom serviço, se trabalharem como eu espero que trabalhem, podem ganhar meu voto pela primeira vez. Caso contrário, nem pensar.

Por enquanto, eu continuo PV e não abro.

Paloma, a mãe disse...

O problema é o movimento abafa-Palocci. E o Brasil perde com isso...
Beijos solidários

Ana disse...

Caramba Taís tb me revolto com essas coisas e marco o nome dos cretinos. Mas aos meus 33 anos não me iludo mais. Política é issaí. Manobras, alianças, e todo mundo engordando suas contas. O serviço ao público é sempre péssimo, até ultrajante.
O que eu queria? Que votar fosse opcional. É mentira que temos escolha. Não importa quem ganha, as cartas são marcadas pela grana e poder.

Fala sério aliança PT e PMDB. Tem coisa mais vergonhosa?
O povo? Só serve pra pagar imposto e ficar igual gado espremido nos ônibus, ou morrendo na fila do hospital.
Minha humilde opinião!!!!
Cada um com a sua!!!
Bjo!

Carolina Pombo disse...

Taís, eu fico com a opção 2. Eu consigo imaginar um pouco mais os meandros políticos nos quais o deputado decidiu votar contra seus eleitores. Porque (por sorte ou não) tenho contato direto com pesquisadores do Legislativo brasileiro e dos meandros de nosso sistema político. Eu posso imaginar que o lobby ruralista se fez presente de forma "irresistível", prometendo mundos e fundos para os políticos que, com cara de bonzinhos, defendessem suas causas. As pesquisas que citei, por exemplo, encontraram entre os maiores financiadores da campanha da Dilma a indústria farmacêutica e as empresas privadas de saúde. Taí, presente pra todo mundo ver o lobby pró-vacinação contra o HPV (e isso tem me preocupado especialmente porque estão enfiando essa vacina nova, sem escrúpulos, em nossas adolescentes, pela "pexinxa" de 900 reais!). CADÊ O LOBBY DO POVO??? Temos que começar a correr por fora... Obrigada poe mais uma reflexão importante, que passou meio batida na nossa blogosfera.

Luis disse...

Na verdade foram duas votações. Na primeira votou-se o relatório do Aldo Rebelo que, embora tenha melhorado bastante com a pressão do governo, do PT e ambientalistas, ainda continha pontos que o PT não aceitava. O PT decidiu apresentar estas discordâncias através de destaques ao texto, dando então o voto favorável com estes "senões". Mas liberou a votação para deputados que não quisessem votar pelo relatório. No fim votaram contra este texto apenas PV, PSOL e uma parte (menor) dos deputados do PT. Percebo que o Carlinhos, assim como o próprio líder do PT que chegou a bater boca com Aldo, entenderam ser necessário não ignorar todo o esforço de negociação feito, simplesmente votando contra e criando uma situação perigosa nas próximas fases de votação, sabendo que a tese ruralista sempre teve maioria para ganhar a votação.

Mas a votação que realmente colocou os lados opostos não foi esta, mas sim a da emenda que Dilma chamou de vergonha. Porque é uma vergonha mesmo, na prática põe por terra todo aquele avanço conquistado pelo governo e ambientalistas nas negociações. Anistia desmatadores, dá poderes perigosos aos Estados decidirem sobre ocupação de APPs etc.
Mas é preciso cuidado porque esta discussão do Código não pode ser tratada como um "Fla-flu". Até porque o lado de lá, se quiser, ganha no voto. Infelizmente o ambientalismo tem muito pouca força no Congresso (nisso a sociedade pode ajudar aumentando sua pressão). O PT e, até mais do que ele, o governo Dilma é que realmente seguraram o rojão em favor do meio ambiente. E te aviso que ainda que Dilma vete pontos graves, o Congresso é que dá a última palavra. Depois restará só apelar à Justiça, se couber questionamentos constitucionais.

Compare as votações:
Projeto (Carlinhos votou a favor) - 410 votos a favor, 63 contra e 1 abstenção.
Emenda da Vergonha (Carlinhos votou contra) - 273 votos a favor e 182 contra.

Quando se faz lista de quem votou como, conforme a visão política do divulgador da lista se usa uma ou outra. Mas perceba que é uma desonestidade dizer que todos os 410 votaram a favor da "vergonha", em defesa dos ruralistas.

Participei de debate na Câmara Municipal de São José dos Campos promovido pelo deputado Carlinhos sobre o assunto como representantes de diferentes opiniões. Foi bem esclarecedor.

Aurelio Moraes-Jornalista disse...

Ouçam
http://www.youtube.com/watch?v=TlH30CT9CaU