29.12.10

Reinventar para viver.


Reinventar para viver.

Recebi este email de um garoto de 74 anos que em 2010 resolveu dar um novo sentido à própria vida.

Depois de uma vida dedicada ao ensino universitário num grande centro urbano, este menino foi aposentado meio que compulsoriamente. Para ele, que sempre afirmou que ia trabalhar até morrer, foi um baque. Reergueu-se decidido a mudar o rumo da vida. E reinventou-se para viver.

Entro no meu tradicional módulo ofilaine até fevereiro, mas deixo a mensagem dele publicada na página de abertura do Ombudsmãe, para que todos nós, principalmente eu mesma, a tenhamos como exemplo de que sempre é tempo de rever a vida. E que não é preciso muito para torna-la ainda mais significativa e bela.

Que venha 2011! 


"Alguns de vocês me enviaram cartão de natal, desejando-me boas festas e um ano novo pleno de realizações. 

Os cumprimentos de boas festas eu agradeço e retorno com votos dobrados ou aumentados ao infinito.

O ano novo pleno de realizações... na minha idade é um pouco utópico. Mas eu agradeço todos os dias ao Criador do Universo:

1 – por estar com vivo;
2 – por estar vivo e com saúde (algumas unhas  encravadas, as vezes uma bronquite ligeira, umas dores nas juntas, mas... tudo passageiro);
3 – por estar vivo, com saúde e com disposição para trabalhar (menos com “coisas das Universidades”);
4 – por estar vivo, com saúde, com disposição para trabalhar e plantando árvores por aí (filhos já os fiz; livro já escrevi, árvores estou plantando);
5 – falando com ELE, nos meus murmúrios e confabulações íntimas, prometo-LHE que plantarei, no ano de 2011, no mínimo 20.000 árvores (Guanandi, de preferência), florestando uma área inóspita, com muitos aclives e declines e erma até de pássaros;
6 – prometo-LHE que naquele pedaço de chão, montanhoso e cheio de água nos seus vales, também plantarei ipês (rosa, branco e amarelo) e acácia, para atrair e alimentar abelhas;  salpicar os vales com frutas de todos os tipos, para atrair os pássaros (pequenos, médios e enormes);
7 – que mandarei criar galináceos (caipira, garnisé e d’angola) – criados soltos e livres – para, além de usufruir dos ovos, também alimentar os lobos-guarás, que lá são abundantes;
8 – deixarei que permaneçam  na área, todas as seriemas, companheiras e amigas, gritonas e famintas eternas, grandes aliadas no combate às cigarras, gafanhotos, cobras e insetos diversos;
9 – também deixarei – e serão tratados com carinho – os tamanduás, inimigos mortais das formigas, que por lá são abundantes;
10 – prometo, também, que ao redor da casa – um ranchinho a beira chão:
A – será plantado um pomar com frutas diversas, mormente as exóticas e mantida uma horta, de preferência orgânica. Tudo para servir aos amigos que lá forem;
C – ao longo da alameda da entrada plantar duas fileiras de flamboyant “que deverão florir na primavera”, enfeitando os céus e alegrando nossos espíritos com suas flores vermelhas carregadas;
D – toda a área deverá receber grama Esmeralda, para que o seu verdor deleite os olhos e serene a alma de quem ali estiver;
D – manter no alto da serra toda a vegetação de cerrado, principalmente as “frutas de lobo”, as gabirobas e os marolos.

Em troca, o  que peço para ELE?
Que me deixe usufruir deste pequeno mundo multicolorido por mais algum tempo. Só isso!
Você acha que estou pedindo muito?

Feliz ano novo."

Foto: Kevin Omara

14.12.10

Mães pro Futuro



Conheci a Ana Cláudia, do Futuro do Presente, há 3 anos, quando resolvi parar de alugar o ouvido de parentes e amigos e comecei a expor minhas opiniões no blog.

Para uma blogueira virgezinha como eu, foi como conhecer a garota rodada do colégio. A mulher é um furor. Bloga, cuida de 4 hominhos, cachorros e quintal, promove listas de discussão na rede, grupos de ativismo, tem uma pequena empresa de produtos conscientes, participa de encontros de blogueiros, foruns educativos, tuita, feicebuca, orkuta, manda email, organiza blogagens coletivas, conhece um monte de gente na rede, enfim...é "O Cara" das mães que blogam.

Aprendo muito com ela. Por isso, qual não foi minha surpresa, quando essa pessoa cheia de tempo ocioso (rs!) resolve inventar um selinho "Mães pro Futuro", mesmo assumindo que é "cafona e ultrapassado" (a Ana é assim, não tem medo de ser feliz) e escolhe quem pra dar o primeiro?

A Ombudsmãe que vos escreve! E que agora tá se achando, já que foi aceita pra entrar pra turma da garota popular do colégio.

Fiquei emocionada com o carinho da Ana e com a escolha do Ombudsmãe pra inaugurar o selo. Em se tratando do futuro, é uma responsabilidade e tanto!

Mas agora, me resta a difícil tarefa de escolher outra blogueira para repassar. Dureza...vou tomar um Dreher. Os blogs de mães melhoram a cada dia e tem muuuuuuuita coisa boa na rede. Escolher uma é fazer injustiça com muitas outras. Estamos vendo nascer na rede um movimento grande de mães que questionam e refletem. Mães que perguntam: "tem mesmo que ser assim?".

Mas a escolha tem que ser feita. Assim, ordena la reina Ana. Para facilitar, resolvi basear minha escolha em mães que vão além de blogar e promovem ações multiplicadoras da transformação materna e social.

Acabei escolhendo 3 mães, que é pra espalhar bem o selinho e fazer nossa panelinha crescer rapidamente: a Vanessa Anacleto, do "Mãe é tudo igual", a Carolina Pombo, do "What Mommy Needs" e a Perola Boudakian, do "Mamãe Antenada".

A Vanessa é outra blogueira master incasável. Tem vários blogs, o "Mãe é tudo igual" onde sempre publica entrevistas com especialistas sobre assuntos diversos envolvendo a maternidade, o "Fio de Ariadne" sobre literatura, onde promove inúmeras blogagens coletivas e, como se não bastasse acaba de escrever um livro, o Culpa de Mãe, um tema com o qual estamos pouco familiarizadas (rs!).

A Carolina escreve no What Mommy Needs e é uma mãe que fuça. Sempre tem algo legal para indicar, um texto, um evento, participa da Escola Virtual de Pais e coloca muito bem suas opiniões de psicóloga e pesquisadora caleidoscópica.

E a Perola é outra mãe que me tira o fôlego. Escreve no Mamãe Antenada, onde se considera uma radical livre (adorei!), no Pé na Cozinha, onde promove a alimentação caseira saudável, é batalhadora do ECA, o Estatuto da Criança e do Adolescente, dá consultoria para grupos pró parto natural e aleitamento, e de quebra me dá bronca por que dou muito colo pra quem não consegue amamentar.

As regras da brincadeira, vocês pegam diretamente com a dona Ana, clicando aqui.

Mil perdões a quem ficou de fora. Mas se saio por aí dando selinho pra todas, vão me chamar de Hebe Camargo.

Um beijão e obrigada, Ana!


8.12.10

Epidemia de TDAH ou um sistema educacional doente?





Quem está interessado no debate sobre a "epidemia" de TDAH, deve assistir a estes dois vídeos de palestras do Sir Ken Robinson, autor britânico e consultor em educação.

Ele expõe da maneira leve e bem humorada a relação existente entre a atual onda de medicar crianças com um sistema educacional que não funciona mais.

Se o vídeo entrar sem legenda, clique no menu "cc" para ativá-la. Alerto que ela está literal demais, o que por vezes atrapalha o entendimento, mas com um comprimidinho de Ritalina, você vai conseguir se concentrar e assistir! Rs!!!!!!

E se demorar pra carregar, minimize a página, vá namorar um pouco e quando voltar, assista sem as interrupções chatíssimas do Youtube. Vale a pena! Sua visão sobre crianças levadas da breca nunca mais será a mesma.

P.S1: O blogger cortou um pedaço da lateral dos vídeos. Não tenho noção de como ajustar. Se isso também aconteceu no seu monitor, clique duas vezes sobre os vídeos e assista diretamente no Youtube.

P.S2: Publiquei apenas a segunda parte da palestra, no vídeo 2. Caso você se interesse em assistir a palestra toda (é muito boa!), clique aqui: http://www.youtube.com/watch?v=yFi1mKnvs2w

6.12.10

Rita Lee ao invés de Ritalina.



Rita Lee ao invés de Ritalina.

Esta matéria foi enviada pela Renata, do Pipocando, uma mãe que, como muitas de nós se mantém firme na resistência.

É um alerta para o uso cada vez mais frequente da Ritalina como supernanny de farmácia para crianças. No Brasil já são vendidas 2 milhões de caixas ano.

Adorei a especialista em psiquiatria da Unicamp chamada para comentar o fenômemo. "Os efeitos da Ritalina são devastadores...eu não descarto que existam crianças portadoras de patologias, mas nem para essas eu receitaria Ritalina."

Aí a reporter pergunta: "O que a senhora receitaria?"

"Rita Lee" responde a Doutora e me conquista para sempre.

O pior disso tudo é que a droga está sendo dada para enquadramento de crianças na escola. Reflexo de uma sociedade definitivamente sem parâmetros. A escola para no tempo - numa sociedade em transformação é uma das instituições mais resistentes a mudanças - e crianças são drogadas para se adaptarem a um sistema educacional que, claramente, não funciona mais.

Com a anuência dos pais que temem que o filho fique para trás. Que seja rotulado. Que dê problema. Que cause transtornos. Que seja ele mesmo.

E com o aval de muitos médicos que, com absoluta certeza, nunca pisaram numa sala de aula. Portanto, ao invés de dizerem: "Mãe, mas a escola do seu filho é um pé no saco e ele tem toda razão de estar desatento" ou "Mãe, na idade dele não parar quieto é absolutamente normal, mude do apartamento para uma casa e frequente mais o parque", ou então "Mãe, nem a senhora está prestando atenção ao que eu falo, como quer que seu filho seja atento?"...ao invés de dizerem isso (e um milhão de coisas mais), eles sacam o bloco de receitas e táá dááá, lá vai a mãe pra farmácia convencida de que um pouquinho de química fará muito bem para aquele pequeno.

Seria triste, muito triste, se não fosse um crime.